• Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Artigos Científicos

terça-feira, 19 abril 2022 18:17

PHDA, Perturbação Bipolar e Perturbação da Personalidade Borderline - Comorbilidade ou Confusão Diagnóstica? -

Rate this item
(0 votes)

Tânia B Cavaco 1, Sara Gomes Rodrigues 2, Ricardo Liz Almeida 3, Ana Sofia Milheiro 1

1

Médica interna de formação específica em Psiquiatria da Infância e da Adolescência, Unidade de Psiquiatria da Infância e da Adolescência, Hospital Garcia de Orta, Almada

2

Médica interna de formação específica em Psiquiatria da Infância e da Adolescência, Departamento de Pedopsiquiatria e Saúde Mental da infância e da Adolescência, Centro Hospitalar Universitário do Porto (CHUPorto), Porto

3

Médico interno de formação específica em Pediatria Médica, Serviço de Pediatria, Centro Hospitalar Tondela-Viseu, Viseu

INTRODUÇÃO: A Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção (PHDA) é uma patologia com início típico na infância, associada a disfunção escolar e sociofamiliar, apresentando uma clínica heterogénea, na adultícia. Algumas patologias como a Perturbação Bipolar (PB) ou a Perturbação da Personalidade Borderline (PPBL) poderão gerar confusão diagnóstica ou serem comórbidas com a PHDA. Este trabalho pretende apresentar uma discussão sobre o  diagnóstico diferencial da PHDA e a sua associação com PB e PPBL.


MÉTODOS: Revisão não sistemática através da pesquisa de artigos originais e de revisão, em  inglês, na plataforma Pubmed®, com as palavras-chave: ADHD, attention-deficit/hyperactivity disorder, borderline personality disorder, bipolar disorder.


RESULTADOS: A PHDA apresenta uma prevalência de ~4-7%, na infância, e de ~2.5% em adultos. Mais de 50% das crianças com PHDA têm outras comorbilidades psiquiátricas. Estudos apontam para a persistência da PHDA na adultícia em 15-60% dos casos. A PHDA poderá coexistir em ~20% dos adultos com PPBL ou PB. Estudos em jovens com PB descrevem a presença de elevada irritabilidade, labilidade emocional e comorbilidade com PHDA, dificultando a diferenciação psicopatológica, nos quais os sintomas da infância da PHDA se encontram fortemente associados aos sintomas de hipomania na adolescência. A PHDA poderá representar um fator de risco desenvolvimental para a PPBL, parecendo existir associação significativa entre adultos com PPBL e antecedentes de sintomas de PHDA, na infância. Parte da associação entre as patologias dever-se-á a fatores genéticos.

DISCUSSÃO E CONCLUSÃO: A falência de um diagnóstico diferencial adequado entre PHDA,  PPBL e PB poderá gerar importantes consequências a nível de prognóstico e do projeto terapêutico. A PPBL e a PB estão associadas a risco aumentado de comportamentos suicidários e a comorbilidade está associada a pior prognóstico, comparativamente a cada patologia isolada. A correta identificação psicopatológica e uma intervenção dirigida são cruciais para uma abordagem clínica optimizada.

BIBLIOGRAFIA:

1. Asherson, P., Young, A. H., Eich-Höchli, D., Moran, P., Porsdal, V., & Deberdt, W. (2014). Differential diagnosis, comorbidity, and treatment of attention-deficit/hyperactivity disorder in relation to bipolar disorder or borderline personality disorder in adults. Current medical research and opinion, 30(8), 1657–1672.
2. Weiner, L., Perroud, N., & Weibel, S. (2019). Attention Deficit Hyperactivity Disorder And Borderline Personality Disorder In Adults: A Review Of Their Links And Risks. Neuropsychiatric disease and treatment, 15, 3115–3129.
3. Salvi, V., Ribuoli, E., Servasi, M., Orsolini, L., & Volpe, U. (2021). ADHD and Bipolar Disorder in Adulthood: Clinical and Treatment Implications. Medicina (Kaunas, Lithuania), 57(5), 466.
4. Cichoń, L., Janas-Kozik, M., Siwiec, A., & Rybakowski, J. K. (2020). Clinical picture and treatment of bipolar affective disorder in children and adolescents. Obraz kliniczny i leczenie choroby afektywnej dwubiegunowej u dzieci i młodzieży. Psychiatria polska, 54(1), 35–50.
5. Naguy A. (2018). ADHD-juvenile bipolar disorder: mimics and chameleons!. World journal of pediatrics : WJP, 14(6), 525–527.

Read 509 times Last modified on quarta-feira, 20 abril 2022 09:01